10/11/2009

Dos Sitemas Politicos






Capitalismo &  Democracia

 Muitos aspectos impulsionam os sistemas políticos e econômicos, cabe analisar : Primeiro a historia que nos mostra em seus registros, governos criados e executados a serviço da existência social, seja por imposição,  por arbitrariedade ou necessidade de manutenção da espécie. Segundo porque temos que ver um mundo, por um esquema de ensaio e erro, onde no final é o universal e eficiente a vida e a natureza humana que prevalece. Se nos percebemos fracos, mesquinhos e tendenciosos, cabe-nos a ação de nos lapidar e readequar, seja individualmente ou seja pela ação do estado. Governos vão e vem, sistemas políticos com eles, mas nós ainda permanecemos .Temos as possibilidades que as inúmeras diferenças de sistemas podem propiciar, pois que sem registro de que algo existe não teríamos como julgar nem como escolher.
Temos o direito viver e desenvolver nossas habilidades e temos a obrigação de permitir ao outro que se exercite na busca da variedade hipotética de um sistema mais eficiente de conduzir o homem ao encontro de seu super homem

èA historia mostra que os movimentos humanos para criar e destruir,manifestam-se  em forma de ação executura de um ideal ou de reação a uma anomalia do poder normatizador,partindo sempre do particular para o universal , este de si para o homem do homem ao cosmos. Há, no espelho comportamental, uma revelação capitalista da natureza humana e esta revelação tende a ser predatória como reflexo do próprio sistema executado por homens selecionados pelo estado no caso da “Democracia” selecionados pelo voto direto das pessoas.

O Sistema capitalista no século 21 começa a dar sinais claros de retrocesso e decadência. A riqueza se concentra mais e mais nas mãos de um grupo pequeno de empresários e especuladores.
No poder tanto a situação como a oposição parecem não se definir sobre as questões das diferenças ideológicas e as propostas viáveis para que a maioria da população possa se beneficiar com a dignidade financeira mínima ao bom desenvolvimento das famílias e a extinção das classes excluídas.
            Propostas de abertura de mercado, para aumentar a demanda e a riqueza dos vários setores sociais são evidenciadas como insustentáveis, sendo que, em muitos casos a abertura das fronteiras para o livre intercambio do mercado de capitais pode produzir a desestabilização do mercado interno levando a penúria milhares de pequenas empresas que nada recebem do governo para se manterem gerando riquezas.
Uma das características gritantes do sistema Neo Liberal é a fundamentação das classes sociais que dia a dia parecem ser cada vez mais achatadas levando o desmoronamento da estrutura da classe media, para a geração de subestruturas sociais cada vez mais próximas da exclusão social.
           A classe média, conhecidamente caracterizada por sua força de reação, capacidade de persuadir a massa, pressionar o governo a agir de forma coerente e fiscalizada, tendo como principio o bem comum, encontra-se atolada em dividas e desgastada em trabalhos de dupla jornada, induzida a uma apatia asustdora.
            A perversidade do sistema se revela nas possibilidades de oportunidades de acesso ao conhecimento.Para que uma  pessoa possa se usufruir deste sistema de exclusões sociais, precisa ser alguém importante, ser reconhecido como um Ídolo, e mais ainda depende do lugar onde  habita,se na periferia se na Zona Nobre da cidade e principalmente da força de capital que possui. Em termos de desenvolvimento econômico e humano o sistema Neoliberal tem se revelado daninho e desastroso.
            Segundo Phillip Blond , professor de filosofia e teologia da Universidade de Cumbria. “Somente uma economia compartilhada pode corrigir a tendência natural do mercado livre de favorecer os monopólios. Mas só é possível compartilhar quando todos são proprietários. Portanto, existe uma possibilidade radical, mas ainda inexplorada - a da propriedade e uso generalizados e amplamente distribuídos de bens, créditos e capital.
Isso dissolveria o conflito entre capital e trabalho, já que haveria um mercado sem monopólio e um Estado no qual o trabalhador assalariado - sendo ele também proprietário de capital - não necessitaria do welfare state.”


            A falta de qualificação profissional, de acesso ao conhecimento e da formação de base, até da acadêmica, apóia e reforça a permanência do sistema Neo Liberal. Neste Sistema, a situação das massas ante ao acesso ao conhecimento não difere da situação da apropriação do poder pela igreja na idade média. Veja-se o fato de que o conhecimento nos dias de hoje esta nas mãos de quem pode pagar, de quem tempo para estudar e de quem se encontra posicionado dentro dos meandros do poder e é patrocinado para manter o sistema. Na idade media quem podia eram os religiosos e os pequenos burgueses, quem patrocinava a aquisição do conhecimento era a igreja que determinava quem deveria aprender, o que aprender e principalmente para que se destinaria o aprender.

           O mundo moderno dentro do sistema democrático tem como objetivo filosófico e desafio social estreitar as linhas divisórias das diferenças sociais, distribuír oportunidades e acesso gratuito ao conhecimento. Criar uma cultura de igualdade e fraternidade para todos. Conhecere e apreender o saber, executar o trabalho e o viver digno ainda parecem ser utopias, mas permanecem sendo a meta universal da humanidade.
O mundo capitalista funciona na hiper estimulação dos sentidos, temos barulhos infindáveis, imagens sedutora fantásticas a cada passo que damos, na rua nossa mente fica a registrar sem catalogar sem selecionar, somos invadidos e nem temos noção de como isso esta influenciando na nossa forma de agir e posicionar e escolher .Vivemos e sentimos de forma capitalista tamanha a incrustação cultural de um sistema sobre a mente humana.

           Se a Democracia é um poder autorgado pelo povo, não deveria esta estar sujeita a perversidade excludente de dignidade humana e vigente no sistema capitalista. Segundo alguns pesquisadores o Capitalismo eleva a Democracia, mas isto só é feito para que se aproprie da mesma para corromper o sistema.

Segundo Mauricio Gomes Ângelo em sua crônica intitulada
:- Capitalismo e Democracia a sinfonia da destruição –
“Somente nus, verdadeiramente livres, revestidos de isenção mental e da acuidade crítica é que teremos condições de reconstruir a sociedade em que vivemos”
(Artigo Produzido Por Alba Regina Bonotto)

Bibliografia:

PINO, Angel. Escola e cidadania: apropriação do conhecimento e exercício da cidadania. In: SEVERINO, Antonio Joaquim; MARINS, José de Souza; ZALUAR, Alba et allii. Sociedade Civil e Educação. Campinas, São Paulo, Papirus. CEDES, São Paulo. ANDE: Anped, 1992. P. 15-25.
Tema "ESCOLA E CIDADANIA" –


Sites pesquisados:

1- Site: International Heral Tribune, Sistemas Capitalistas
2- Site Duplipensar:


Artigo de Gomes Ângelo, Mauricio – Capitalismo e Democracia a Sintonia Da Destruição
 – Publicado em 16/06/2005.

Nenhum comentário:

Postar um comentário